CARNIVORA
raposa
As espécies
 
       
Classe Mammalia (mamíferos)
Ordem Carnivora (carnívoros)
Família Canidae (canídeos)
Género

Vulpes

Espécie Vulpes vulpes
Nomes comuns raposa
       
       
     
 
 
       
       
     
 

A raposa é um carnívoro de médio porte, geralmente castanho-avermelhada com orelhas erectas e pontiagudas com a parte de trás preta. A cauda é comprida e espessa e com pêlos brancos na sua extremidade. O focinho é esguio e geralmente com o lábio superior branco. Normalmente a garganta é branca mas alguns indivíduos têm esta mancha acinzentada, podendo o mesmo acontecer no caso da pelagem da barriga, enquanto que as extremidades das patas são geralmente pretas.

Embora seja um dos carnívoros mais comuns no nosso país, a sua observação é algo difícil por ter hábitos normalmente crepusculares e nocturnos. No entanto, é possível encontrar com alguma facilidade indícios da sua presença como as pegadas que são mais ovais que as dos cães. Também é possível encontrar os seus excrementos em cima de pedras, de tufos de vegetação e na junção de trilhos. Estes são semelhantes aos dos cães porém, têm uma cor geralmente mais escura e são frequentemente constituídos pelo pêlo e penas das suas presas, podendo também possuir, restos de insectos e sementes de frutos dependendo da altura do ano.

 
       
       
     
 

Esta espécie é considerada como sendo uma espécie generalista já que ocupa uma diversidade de habitats quase ilimitada. A sua capacidade de adaptação é tal que pode ser encontrada desde as zonas costeiras até às zonas montanhosas do norte e centro do país. Tem preferência por matagais em mosaico, florestas e campos agrícolas, no entanto, em algumas cidades inglesas pode mesmo visitar regularmente os jardins de casas suburbanas.

A raposa é sobretudo nocturna e crepuscular, altura em que procura as presas de que se alimenta. Por possuir uma dieta oportunista, isto é, procura uma grande variedade de presas escolhendo normalmente as mais abundantes, pode consumir desde pequenos roedores até lagomorfos (coelhos e lebres), aves, insectos (principalmente escaravelhos), frutos, etc. Pode escavar tocas para se abrigar ou aproveitar as tocas feitas por coelhos e texugos mas, fora da época de reprodução, o dia é geralmente passado em abrigos à superfície (debaixo de silvados, montes de pedras ou madeira, etc.).

 
       
       
     
 

Os acasalamentos ocorrem entre Dezembro e Fevereiro, sendo a gestação de 52-53 dias. Os juvenis nascem entre Março e Maio, possuindo nesta altura uma pelagem castanho-escura que só ao fim de cerca de 6 meses se torna idêntica à coloração dos adultos. Ambos os progenitores cuidam das crias mesmo após o desmame. Estas só se tornam completamente independentes no Outono seguinte ao nascimento.

 
       
       
     
 
Espécie classificada como Pouco Preocupante (LC) e que, por ser considerada como espécie cinegética, pode ser caçada sem restrições durante todo o período venatório. Além disso, pode ser alvo de controlo da sua abundância em zonas de regime cinegético especial.
 
       
       
     
 

Os principais factores de ameaça estão relacionados directamente com actividades humanas, nomeadamente com as medidas de controlo de predadores implementadas pelas Zonas de Caça dos diversos regimes cinegéticos, a própria caça, já que a raposa é considerada uma espécie cinegética, e a rede viária que leva a que se torne com frequência em vítima de atropelamentos.

 
       
       
VÍDEO:      

 

       
       
 
 
 
 
Mapas e figuras adaptados do Guia de campo dos Mamíferos de Portugal e Europa, FAPAS
 
Fotografia adaptada de http://www.labouranimalwelfaresociety.org/